Cientistas criam mosquito transgênico para conter dengue.

Pesquisadores americanos e britânicos estão criando um tipo de mosquito transgênico em um esforço para conter a propagação da dengue.

O vírus que provoca a dengue se propaga através da picada da fêmea do mosquito Aedes Aegypti e não há vacina para a doença.

Segundo especialistas, a dengue afeta até 100 milhões de pessoas por ano e ameaça mais de um terço da população mundial.

Cientistas esperam que os machos transgênicos que estão criando cruzem com fêmeas para produzir outras fêmeas que herdem um gene que limita o crescimento das asas.

Essas fêmeas têm sua capacidade de voar limitada, o que resultaria na supressão da população do mosquito.

O estudo foi publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences.

Anthony James, da Universidade de Califórnia - Irvine, disse: "Os atuais métodos de controle não são eficazes o suficiente, e são urgentemente necessários novos (métodos).

"O chefe da pesquisa, Luke Alphey, da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, e proprietário de uma companhia de ciência aplicada, Oxitech Ltd, disse que a abordagem científica tem um foco bem específico. "A tecnologia é totalmente específica para uma espécie, já que os machos liberados vão cruzar só com fêmeas da mesma espécie."

"Uma outra característica atraente deste método é que (...) todas as pessoas em áreas tratadas estarão igualmente protegidas, independente de suas posses, poder ou grau de instrução."

Hilary Ranson, da Faculdade de Higiene e Medicina Tropical de Liverpool, na Grã-Bretanha, disse que este trabalho científico é um grande avanço.

"Será um desafio logístico produzir e liberar um número suficiente de mosquitos machos e não vai ser barato. Mas pode ser realizado com os recursos adequados."

Ranson disse que a dengue é uma doença ideal para ser combatida dessa maneira porque é propagada por apenas algumas poucas espécies de mosquito. Segundo a acadêmica, seria mais difícil usar técnica semelhante no combate à malária por causa da variedade de mosquitos portadores.

Aí eu me pergunto: será que não estamos mechendo onde não deveríamos? Com esse "método" mais e mais mosquitos nascerão com o defeito das asas, será que isso não vai afetar de forma drástica, outras espécies que se alimentam desses insetos voadores? Causaremos a extinção de mosquitos com asas? Qual o impacto disso em longo prazo? Quanto iremos desembolsar para que isso se torne possível? É viável?

Não sei....mas fico dividida. Feliz por ver cada vez mais o avanço da ciência e ideias novas dos cientistas, ams preocupada com o impacto ambiental que isso possa causar.

Qual a opinião de vocês?


1 comentários:

Kopte disse...
25 de fevereiro de 2010 10:15

Isso não vai contra a teoria evolucionista de Darwin?! Que diz que so as mutações bem sucedidas vingam?! Não ter asas não me parece ser uma vantagem para os mosquitos! não sei se isso vai dar certo!