Achados e perdidos.

Pode ter sido um milagre: uma cadeira de rodas abandonada pelo dono. Ou o embargo de uma obra: o carrinho de mão ficou para trás. Alguns itens relacionados pelo Metrô de São Paulo, que fechou o balanço de 2009 de objetos encontrados nas estações e nos trens, são intrigantes. Cerca de 34 mil objetos, média de 90 por dia, foram esquecidos no sistema de transporte - até prancha de surfe é esquecida nos vagões do Metrô.

Apenas em janeiro, mês de menor demanda do metrô, foram encontrados mais de 5 mil documentos de identidade, 339 cartões de banco e 104 celulares e 183 guarda-chuvas. No decorrer do ano, foram encontrados dentaduras, aparelho de karaokê, diplomas de universidade, narguilé, prancha de surfe e carrinho de supermercado. Mas os objetos mais encontrados são mesmo documentos e cartões de bancos (que são quebrados pelos funcionários).


“Parece que o metrô mostra o que acontece em São Paulo, tudo aparece de acordo com os eventos”, diz Maria Beatriz Barbosa, chefe do departamento de relacionamento com o cliente. No mês de dezembro é comum encontrar presentes de natal. Em janeiro, cadernos e livros anunciam o início das aulas. Em fevereiro, fantasias de carnaval ficam órfãs dos foliões. Todos os itens permanecem por dois meses na Central de Achados e Perdidos da estação Sé à espera de seus donos. Após 60 dias, os documentos são devolvidos aos órgãos expedidores e os objetos vão para o Fundo Social de Solidariedade do Governo do Estado. O índice médio de devolução é de 21%.
Só não se esquece a cabeça porque esta grudada no pescoço.

2 comentários:

Isabella Pessoa disse...
24 de fevereiro de 2010 03:59

Nossa! Eu sou esquecida, mas acho que não me esqueceria de uma cadeira de rodas...bem, quem sabe esqueceria... _ _°

Estela disse...
25 de fevereiro de 2010 05:00

Rapazzz quem é que vai querer essas dentaduras héin?? Pra quem é que vão doar? huahuahuahua